A Travessia, Refugiados Climáticos – Que Futuro?

No âmbito do Projeto NO BORDER, dedicado à inclusão de refugiados/as, a Associação Renovar a Mouraria está a organizar um ciclo de Conferências Internacionais “A Travessia”.

 A segunda conferência subordinada ao tema “Refugiados Climáticos – Que Futuro?”, com data agendada para o próximo dia 30 de novembro (sábado), entre as 9h30 e as 17h30, na Fundação Calouste Gulbenkian. A Conferência tem entrada livre, mas inscrição obrigatória e é destinada ao público em geral, profissionais, académicos e decisores políticos.

 Uma pergunta se lança a todos os participantes: “Que futuro?” Que desafios enfrentamos e como os podemos ultrapassar num mundo onde a emergência climática é uma já uma realidade presente, com impacto no planeta e na mobilidade humana.

 Atualmente, as alterações do clima, em resultado da ação humana forçam todos os anos milhares de pessoas a deslocar-se das suas casas. De acordo com dados da ONU, em 2016, mais de 24 milhões de pessoas, em 118 países e territórios, foram deslocadas por causa de desastres naturais, sendo este número três vezes superior ao número de deslocados por conflitos.

Há países a afundar-se no mar e que vão deixar de existir e outros devastados por secas prolongadas. Fenómenos naturais como tornados, furações ou tempestades são fenómenos cada vez mais frequentes, provocando deslocações em massa. Todavia, o direito internacional ainda não protege as pessoas que se refugiam destes fenómenos.

 Estes “refugiados” não têm enquadramento jurídico em Tratados e Convenções Internacionais, contrariamente ao que sucede com os refugiados que fogem por perseguição individual ou em resultado de guerra, protegidos nomeadamente pela Convenção de Genebra de 1951 e Protocolo Adicional de Nova Iorque de 1967.

 Esta nova “Travessia” pretende refletir assim sobre os dados que os estudos e estatísticas recentes nos apresentam e apontar caminhos para políticas públicas à altura deste grande desafio, que pode inclusivamente afetar diretamente cada um de nós. Pois, qualquer pessoa pode tornar-se subitamente um deslocado interno ou refugiado.

 À semelhança da Conferência Internacional “A Travessia – Mulheres e Meninas em Busca de Refúgio”, que se realizou nos passados dias 15 e 16 de março, esta Conferência pretende sinalizar problemas e apresentar Recomendações, que serão disseminadas no final deste evento.

 O Projeto “NO Border” é financiado pelo Fundo para o Asilo, a Migração e a Integração (FAMI) e visa, entre outros objetivos, promover a integração e o aumento de competências pessoais dos requerentes de asilo e refugiados residentes no concelho de Lisboa, promovendo também o diálogo intercultural e a partilha de experiências. São parceiros deste projeto, para além da Associação Renovar a Mouraria (entidade organizadora), a Associação Crescer (entidade promotora do Projeto), a União de Refugiados em Portugal (UREP), o Centro de Apoio a Vítimas de Tortura em Portugal (CAVITOP) e a Câmara Municipal de Lisboa.

A entrada é livre e a inscrição é obrigatória e limitada ao número de lugares disponíveis.

> Faça a sua inscrição (gratuita) aqui.
> Programa completo aqui.